Revista Portuguesa de Coloproctologia


Home
Pesquisar Artigos
Pesquisa Avançada
 

Normas de Publicação

Normas de Publicação


A Revista Portuguesa de Coloproctologia publica Artigos Originais, Artigos de
Revisão, Estados da Arte, Casos Clínicos e Instantâneos Imagiológicos sobre
todos os temas médicos e cirúrgicos da Coloproctologia.
Os manuscritos submetidos para publicação devem ser preparados de acordo
com os “Uniform Requirements for Manuscripts Submitted to Biomedical
Journals – Updated 2007” elaborados pelo “International Committee of Medical
Journal Editors (www.icmje.org)”.
Os artigos aceites para publicação passarão a ser propriedade da Sociedade
Portuguesa de Coloproctologia, não podendo ser reproduzidos, no todo ou em
parte, sem autorização do Corpo Editorial da Revista.
A aceitação dos originais enviados para publicação será feita após apreciação
por membros do Conselho Científico cujos pareceres serão sempre
comunicados aos autores; estes disporão de um período de seis semanas para
efectuar as eventuais modificações propostas.
Os manuscritos recebidos que não estejam de acordo com as normas definidas
serão devolvidos aos autores sem serem apreciados pelo Conselho Científico.
Todos os artigos aceites e publicados na Revista Portuguesa de Coloproctologia,
são candidatos ao Prémio Melhor Artigo Científico.
O prémio tem início em 2016 e é referente aos trabalhos publicados na Revista
Portuguesa de Coloproctologia no ano imediatamente anterior.
Todos os trabalhos já premiados no ano anterior pela Sociedade Portuguesa de
Coloproctologia não serão considerados.
O Júri do Prémio é nomeado pelo Corpo Editorial, sendo constituído por
membros do Conselho Científico da Revista Portuguesa de Coloproctologia.
O Artigo anualmente premiado é revelado, e o respectivo Prémio entregue, na
Sessão de Encerramento do Congresso Nacional de Coloproctologia desse
mesmo ano.

Normas Gerais



Os originais, em Português ou Inglês, devem ser enviados por e-mail para
spcoloprocto@gmail.com, ou enviados por correio em suporte electrónico (CD
ou “pen”) e acompanhados de 3 cópias impressas para: Revista Portuguesa de
Coloproctologia, Calçada de Arroios, 16 C, Sala 3, 1000-027 Lisboa. Devem ser
preparados, segundo a seguinte ordem, iniciando-se cada item numa página
separada:
1.Página do título, 2.Resumo 3.Introdução, 4.Material e Métodos, 5.Resultados,
6.Discussão, 7.Bibliografia, 8. Legendas, 9.Figuras, 10.Quadros.
Todas as páginas devem ser numeradas no canto superior direito. A numeração
das referências bibliográficas, tabelas e quadros deve ser feita pela ordem de
aparecimento no texto. Todos os artigos submetidos devem ser acompanhados
da declaração de originalidade e da cedência dos direitos de propriedade.

1.Página do Título



Deve conter:

1.Título- Deve ser conciso, não conter abreviaturas e não ultrapassar os 120
caracteres. Poderá englobar um subtítulo com um máximo de 45 caracteres.

2.Autores- A identificação dos autores deve ser feita com a (s) inicial (is) do(s)
primeiro(s) nome(s) e com o apelido. Deverá ser feita a identificação completa
do serviço, departamento ou instituição onde o trabalho foi realizado.

3.Patrocínios- Deverão ser referidas todas as entidades que patrocinaram o
trabalho.

4.Correspondência- Referir o nome, endereço, telefone, fax e e-mail do autor a
quem deve ser enviada a correspondência.

2.Resumo



Os resumos são redigidos em Português e Inglês, não devendo ultrapassar as
200 palavras no caso de trabalhos originais e as 120 se se tratar de caso
clínico. Devem ser organizados segundo os seguintes itens: Introdução,
Objectivos, Material e Métodos, Resultados e Conclusões. Não devem conter
abreviações, referências ou notas em rodapé.

3.Texto



Não deve ultrapassar as 12 páginas nos artigos originais e as 6 páginas nos
casos clínicos. Deve incluir referência a aprovação da Comissão de Ética da
Instituição e aos métodos estatísticos utilizados. Todos os fármacos devem ser
referidos pelo seu nome genérico, sendo eventuais referências a nomes
comerciais, acompanhadas do nome, cidade e país do fabricante, feitas em
rodapé.

As abreviaturas, que são desaconselhadas, devem ser especificadas na sua
primeira utilização. Os parâmetros utilizados devem ser expressos em Unidades
Internacionais, com indicação dos valores normais. A identificação das figuras
deverá ser feita em numeração árabe, e a dos quadros em numeração romana.

4.Bibliografia



Deve ser referenciada em numeração árabe, por ordem de aparecimento no
texto.

Nos artigos originais ou de revisão não há limite pré-estabelecido de
referências.

Nos casos clínicos não devem ultrapassar as 15. As referências de
comunicações pessoais e de dados não publicados serão feitas directamente no
texto, não sendo numeradas. Deverão ser feitas utilizando as abreviaturas do
Index Medicus.

Revistas: relação de todos os autores se não ultrapassar os seis ou dos seis
primeiros seguidos de et al, título do artigo e identificação da revista (nome,
ano, volume e páginas). Exemplo: Johnson CD, Ahlquist DA. Computed
tomography colonography (virtual colonoscopy): a new method for colorectal
screening. Gut.1997; 112:24-8.

Livros: Nome (s) do (s) autor (es), título, cidade e nome da editora, ano de
publicação e página. Exemplo: Sherlock S. Diseases of the liver and biliary
system. 9
thedition. London: Blackwell Scientific Publications; 1989.p.145.

Artigos em livro: Nome (s) e iniciais do (s) autor(es) do artigo (ou capítulo);
título ou número do artigo ou capítulo, nomes e iniciais dos editores, título do
livro, cidade e nome da casa editora, número de edição, ano de publicação,
primeira e última páginas do artigo. Exemplo: Hotz J, Goebell H.Epidemiology
and pathogenesis of gastric carcinoma. In: Hotz J, Meyer H-J, Schomoll H- J,
eds. Gastric carcinoma. Classification, diagnosis and therapy. 1st edition. New
York: Springer- Verlag; 1989.p.3-15.

5. Legendas



Devem ser dactilografadas a dois espaços em folhas separadas e numeradas
em sequência. As legendas devem ser numeradas em algarismos árabes pela
sequência da citação no texto, e fornecerem a informação suficiente para
permitir a interpretação da figura sem necessidade de consulta do texto.

6.Figuras



Todas as figuras e fotografias devem ser enviadas em triplicado. A sua
identificação será feita através do número e do título da figura e das iniciais do
primeiro autor escritos num autocolante colocado no verso, que deverá ainda
conter sinalização clara da sua parte superior. As letras e símbolos que
apareçam nas figuras não poderão ser manuscritos (utilizar de preferência
símbolos/letras decalcadas), devendo ser legíveis após eventual diminuição das
dimensões da figura. O número máximo de figuras e quadros será de 8 para os
artigos originais e de 5 para os casos clínicos. As fotografias a cores devem ser
enviadas impressas em papel; em alternativa, poderão ser enviadas em suporte
electrónico, desde que digitalizadas em alta definição.

7.Quadros



Devem ser enviados em folhas separadas, dactilografados a 2 espaços,
identificados com o número de aparecimento no texto (algarismos romanos) e
com um título informativo na parte superior. Na parte inferior serão colocadas
todas as notas informativas (abreviaturas, significado estatístico, etc).

8. Revisão



As provas tipográficas serão revistas pelos autores. Será claramente
especificado o prazo para devolução das provas revistas. O não cumprimento
do prazo implica a aceitação pelos autores da revisão das provas efectuadas
pelos serviços da Revista.

Adenda às Normas de Publicação



Todos os manuscritos em Português ou Inglês devem ser acompanhados das
seguintes informações ou documentos:

.Declaração de originalidade e da cedência dos direitos de propriedade;

.Declaração sobre a existência ou não de conflitos de interesses.

Os conflitos de interesses incluem apoio financeiro da indústria biomédica ou
outras origens comerciais sob a forma de bolsas de investigação, pagamento de
honorários por trabalhos de consultadoria, emprego na indústria biomédica ou
fabricantes de equipamentos e/ou propriedade de acções destas empresas.
Estes interesses devem ser mencionados em relação a cada autor.

Caso não existam conflitos de interesses, deve haver uma declaração nesse
sentido, respeitante a cada autor.
Caso os trabalhos tenham sido efectuados
com o apoio de uma Bolsa de Investigação atribuída por uma Sociedade
Científica, este facto deverá ser mencionado;

.Declaração sobre a utilização de consentimento assinado dos doentes incluídos
no estudo ou autorização para publicação de casos clínicos/instantâneos;

.Aprovação da Comissão de Ética local;

.Aprovação da Comissão Nacional de Protecção de Dados;

.Contribuição de cada autor para o trabalho-projecto do estudo, análise dos
dados, elaboração do manuscrito, revisão do manuscrito;

.Informação.